Fermento Caseiro com maça e açucar mascavo

A 2a. receita que encontrei parte de 1 maça ralada misturada a 200gr. de açucar mascavo. Esta mistura ficou 5 dias e fermentou bem. Neste ponto obtive o que se chama “liquido coado” que é a massa fermentada misturada a 200ml de água e espremido totalmente.

Iniciei então a fase de “alimentação” que consiste em adicionar a cada 12 hs. farinha, sal e água a uma parte da massa fermentada. Originalmente deveria ser 400gr. de farinha, 15 gr. de sal e 200ml de água com metade da massa fermentada. A outra metade restante deve ser jogada fora. Como eu achei muito jogar a cada 12 horas tudo isso de massa fermentada resolvi cortar tudo ao meio. Ainda não entendi porque devo fazer isso por 15 dias se parece que o fermento está totalmente ativo mas como pode ser por questão de saúde resolvi seguir as regras.

De fato a aparência está mudando dia a dia. Está ficando mais clara a massa.

Hoje, aos 13 dias resolvi testar e tentar fazer um pão. Como não consegui nenhuma informação sobre quantidades e proporções estou fazendo na base da tentativa ou erro.

Minha primeira receita foi 250grs. de fermento, 750grs. de farinha, 300ml de água amornada e sal. Deixei amassado e fermentando numa bacia. Hoje a tarde vou verificar. Se massa tiver crescido ao menos o dobro vou reamassar e enformar para a segunda fermentação.

Para a continuação desta história veja os comentários.

Fermento Caseiro com batata

Numa das experiências que estou fazendo a receita foi: 1 batata média ralada, sal, açucar e água. Mexer tudo e deixar repousar. Aí veio o primeiro senão. No início entendemos que era para repousar 15 dias, depois a informação foi retificada para 5 dias. Aí o fermento já estaria pronto e poderia ser guardado por até 15 dias sem morrer!

De fato, após 5 dias a aparência e o odor eram característicos de fermento e forte.

Seguindo um paralelo com a outra receita e percebendo que a massa e a água pareciam ativos resolvi “alimentar” o resíduo com farinha de trigo e sal a cada 6hs. por 1 dia e depois a cada 12 horas. Parece que está dando certo.

Acho que hoje a noite vou amassar um pão com este fermento.

Minha primeira peixada

Estou atrasado com este “post”. Fiquei muito tempo sem vontade de escrever. De novo!

Para comemorar meu aniversário deste ano resolvi não fazer evento grande mas receber os amigos aos poucos. Num destes dias vieram aqui Ana e Nicolas, Betsy e Francisco, claro com seus repectivos filhos e eu resolvi fazer duas estréias. Fazer uma peixada à moda capixaba e numa panela de barro.

O pessoal estava estranhando as entradas porque resolvemos mostrar a PORCHETTA. Adoraram mas não sem registrar os aumentos de colesterol e etc. Isto sem fazer exames.

Deu super certo, apesar de eu achar que tinha exgerado na pimenta todos gostaram. Depois ainda sobrou para o Toninho e a Katia que também gostaram. E olha que eles entendem de peixe.

Produção de Alimentos 3 – Adubos

A evolução no trato das plantações tem sido interessante, tanto para os que praticam a agricultura tradicional quanto para os que praticam formas mais naturais e orgânicas. No lado tradicional os especialistas, apoiadas em estudos, avaliações e pesquisas estão cada vez mais usando adubações com micronutrientes em vez dos tradicionais adubos prontos (04-14-08 ou 10-10-10) e ao mesmo tempo a demanda por uma agricultura orgânica fez existir um mercado de novos produtos biológicos, quer dizer produtos que devem oferecer o mesmo resultado da adubagem química mas são, digamos “mais naturais”

Assim é que até mesmo para corrigir a terra, onde antes só usávamos o calcáreo hoje temos tipos de calcáreo diversos à disposição em qualquer loja e usamos outros componentes como o gesso agrícola.