Pedro em Taipei, Tati na França e por aí vai

Esta semana o Pedro está em Taipei, a serviço. Não posso deixar de registrar e com orgulho e satisfação. Foi mandado para lá fazer contatos com possíveis e atuais fornecedores sozinho, ou seja, acreditam nele. Para quem está na empresa a 1 ano e 3 meses + 8 meses de estágio é um feito a ser registrado.

Para completar a satisfação, resolveu que vai fazer a partir do 2o. semestre, um curso pós graduação que não sei exatamente se é mestrado, doutorado, mba ou qualquer coisa que o valha. Isto, para mim é secundário. Muito provavelmente vai começar a pagar um consórcio de imóvel, objetivando, é claro, em alguns anos poder morar sozinho em condições muito melhores do que nós começamos as nossas vidas.

Lá na França, minha sobrinha Tati continua firme no seu estagio na L’Oreal, que espero, a despeito da crise lhe ofereça uma vaga definitiva.

Meu sobrinho Thiago, cada vez maior, com cara e coração de boa gente, envolvido com a música desde que começou com a Maria e, indo melhor do que antes na escola, rumo ao final do último ciclo que o levará, sem dúvida, a uma Universidade de boa qualidade.

Outra sobrinha, Aline, está aproveitando da melhor maneira possível, as benesses do Pro-Uni, que tanto eu critico, e se tornando mais serena e madura a cada encontro.

Enfim de uma forma ou de outra cada um de nossos filhos, sobrinhos e sobrinhas, só ou casados, morando junto ou separados dos Pais está se encaminhando para a vida que serão capazes de construir com suas próprias forças a partir das ferramentas que receberam de nós, os Pais.

Não posso reclamar, apenas torcer para que, ao seu modo e no seu tempo, o Julio alcance a mesma maturidade. Não importa se a forma e os objetivos forem diferentes, muito pelo contrário, apenas que se realize e alcance a verdadeira liberdade que é ser dono do seu nariz e fazer o que gosta.

Desculpem mas este foi um “momento coruja” sem meias palavras.

De novo com os tomates e…. as pimentas

Seguindo na história, conseguimos comprar as tampinhas com o pessoal da Bamberg e então de 17/01 até 14/03, a cada 15 dias a Téia e eu com a ajuda da Dalva fizemos concentrado de tomate engarrafado e pasteurizado. Um orgulho!

No total colhemos 220 Kg. de tomate fora o que foi para consumo do Ezequiel e da Dalva e o que eles deram para as pessoas que passaram por lá neste período. Deste total fizemos 120 garrafas de 500 ml e mais um tanto congelado e outras formas de molho pronto para uso. Quem ganhou uma garrafinha, adorou. E de fato o sabor e a textura estão muito bons. Ainda temos que levar alguns de presente para as pessoas que nos ajudaram a chegar neste ponto.

Isto nos animou, em especial a Téia que começou a preparar molhos prontos e até já vendeu alguma coisa, para amigos é claro. Pode ser o início de nosso restaurante, quem sabe?

Paralelamente aos tomates (e aos molhos) as pimentas começaram a amadurecer. Estamos com 6 tipos sendo 2 peruanas. Aprendemos com a Betsy a fazer uma salsa “alla ayuancaiana” que é um creme para por sobre batatas cozidas ou grelhadas. Uma delícia que ficou ainda melhor com um vinho branco chardonnay chileno que comprei na Decanter.