E vamos ao Perú!!!

Bom, faz tempo que não escrevo. O tempo anda curto. Há muito sobre o que escrever, isto pensando apenas nas coisas boas.

Por ora estamos nos últimos detalhes para organizar nossa ida ao Perú, visitar a feira MISTURA 2012. Faz parte de nosso projeto de produção na chácara afinal as pimentas, pelo menos por enquanto, são o que melhor rendimento nos oferece, além de ser um evento onde quem gosta de gastronomia tem muito o que ver e conhecer.

Poda das Oliveiras

No último sábado completamos a poda das oliveiras plantadas em 2009. Esperamos que floresça em setmbro/outubro e, consequentemente tenhamos frutos em abril do próximo ano. Pelo menos de 1 espécie. Estamos bastante esperançosos.

Tivemos a ajuda do Eng. Alberto, Agrônomo da Casa da Agricultura, que veio podar as plantas por 3 sábados, voluntariamente. Estamos muito gratos a ele. Aliás ele está tentando produzir mudas a partir de ramos obtidos na poda. Se der certo a cidade de Piedade terá mais facilidade em difundir esta cultura, desde é claro que consigamos produção.

Fizemos as podas de 3 maneiras diferentes para avaliar o resultado no futuro e tomamos cuidados para proteger as plantas de efeitos maléficos da poda. Se vamos conseguir colher azeitonas não sei mas pelo menos estamos fazendo tudo o que deve ser feito.

Embutidos e Defumados “Chácara Chiari”

Descobri que em BH, ma Pampulha há uma chácara de Italianos que produz embutidos e defumados de porco. Depois fiquei sabendo que o Sauro fez uma experiência com eles para fazer presunto cru de javali.

Na verdade a chácara é hoje um negócio com buffet para festas, restaurante e mecearia de embutidos e defumados produzidos por eles mesmos. Fui visitar e gostei bastante tanto do lugar quanto do atendimento.

Fiz uma pequena compra de 6 tipos distintos em pouca quantidade e hoje vamos provar junto do Julio, do Pedro e da Denise aproveitando para experimentar um vinho da Sicilia que o Sauro nos deu e é safra 2000.

Só dá para esperar….

Há momentos em que o melhor é ficar quieto, esperar passar e torcer para que quando as coisas clarearem vejamos bons sinais. Pois é assim mesmo que estamos por ora.

O clima resolveu nos pregar uma peça. Esfriou muito mais do que deveria e muito mais precocemente. Conclusão: Pés carregados de pimenta e não temos pimenta para entregar. Pior é a agonia de ter que tratar com cuidado até que amadureçam para que não entre nehuma praga e faça com que percamos as pimentas (lindas por sinal) que estão lá.

No outro lado, um volume razoável de trabalho, que ocupa mais do que o tempo disponível, porém ainda insuficiente para tranquilizar o fluxo financeiro e com ritmo irregular por causa das indefinições dos clientes.

Como esperar não é ficar dormindo, vamos fazendo algo para melhorar. Assim estamos reformando o telhado da sala da chácara para poder demolir a laje e deixar os raios do sol penetrarem. Vai ficar muito bom e bem mais saudável.

Visita de técnicos e pesquisadores às nossas oliveiras

No último dia 20/04/12 estiveram visitando nossa plantação de oliveiras técnicos e pesquisadores do Instituto Agronômico de Campinas, da ESALQ Escola Superior de Agricultura Luiz de Queirós e do Instituto Biológico de São Paulo.

Aproveitei para convidar os Engs. Agrônomos da Casa da Agricultura de Piedade e da Qualifértil.

Além destas pessoas veio um casal de Votorantin conhecer porque tem interesse em começar uma plantação.

Foi um dia muito intenso e útil. O conhecimento demonstrado pelos profissionais foi grande. Aprendemos sobre nutrição das plantas e controle das pragas, mas o principal foi a aula prática e demonstrativa de podas. Aprendemos muito e vamospor em prática este aprendizado esperando no ana que vem colher as primeiras azeitonas.

Almoçamos na chácara um massa com molho ao sugo feito com nossos tomates, carne de porco caipira assada e confitada e salada de nossa horta.

Foi um daqueles dias de dar orgulho e dizer: Puxa, está valendo a pena o esforço!

Esperamos manter estes contatos estreitos e contar com apoio de pessoas tão preparadas.

Uma placa para o Rancho Alegre

Resolvi fazer uma placa para colocar na frente da chácara. Isso foi no ano passado. Acabei pedindo para o Ademir e o Jefferson da Croni fazerem em chapa. Talvez uma homenagem indireta ao meu Pai que era serralheiro e dos bons.

Ficou bem bacana e o local escolhido também. Vi nesta final de semana.

Falta agora o adesivo com o nome e logo que estou desenvolvendo com a Janaína e as plaquetas de acrílico com os nomes dos produtos que serão vendidos lá. Até a próxima vez que for para lá daqui a 15 dias estará tudo pronto.

A partir daí o nome “Rancho Alegre” será a referência para quem for convidado.

Piedade – As dificuldades sempre aparecem!

Quem tem chácara e produz sabe como é. Por mais que no todo as coisas andem bem os problemas sempre aparecem.

Estamos com problemas com as mudas de pimentas. Primeiro as sementes que trouxeram do Perú não germinaram. Depois metade das mudas que fizemos com as nossas sementes queimaram por geada na estufa. Agora apareceu uma doença de solo que destrói o caule. Parece que é porque no local haviamos plantado batatas anteriormente. Ser novo no ramo faz a gente aprender apanhando.

Com a mudança do Ezequiel para sua casa estamos procurando outra familia para morar lá. Isto nunca é fácil.

As coisas com o Gildete tiverem que ser deixadas de lado porque infelizmente ele ainda não resolveu a situação com o arrendatário e eu não quero confusão com ninguém.

Apesar de tudo isso, não sei se inspirado pela época ou se porque apesar de tudo há várias coisas boas também, tenho um sentimento forte de que tudo vai se resolver bem.

É trabalhar para que isso aconteça!!!

Mais oliveiras plantadas, e outras notícias do Rancho Alegre

Ontem plantamos mais 68 pés de oliveiras. Só faltaram as do tipo Maria da Fé porque o Ezequiel não havia preparado as covas com adubos. Teremos qu esperar mais 1 mês para plantá-las.

As mudas de pimentas estão indo bem e acho que os pés que deixamos vão responder bem. Huacatai está transbordando. Fizemos a festa do La Mar e do Killa.

O lugar das novas gaiolas de coelha está ficando ótimo. Daqui para frente não faltará mais coelho.

A salsa pegou alguma doença que atingiu todas as produções vizinhas e da região. Que pena!

Os milhos já nasceram epor igual, tanto o nacional quantos as espécies peruanas. É aguardar para ver no que dará.

Falta resolver de vez a questão do terreno do Gildete (Sítio Tabajara) e com isso partir para resolver de vez a questão da água, sem depender de ninguém.

É isso aí!

Oliveiras, Azeite e Denominação de Origem Geográfica

Ontem em Maria da Fé – MG houve uma assembléia extraordinária para dar andamento ao projeto de estabelecimento de um Selo de Denominação de Origem Geográfica para os azeites produzidos por associados da ASSOOLIVE. Coisa básica ainda do tipo Estatuto, Regras para uso do selo, etc. Básica mas não menos importante.

Vale ressaltar:

1.) Tem gente no Brasil que pensa sério e grande. Gente do setor privado e do setor público. Pelos comentários ouvidos deu para perceber por outro lado, que estas pessoas do setor público que pensam na frente tem tantas dificuldades quanto os do setor privado para se relacionar com os demais entes da estrutura estatal burocrática.

2.) Dependemos, muito e quase sempre, para conseguir levar adiante uma idéia como essa do engajamento direto de pessoas lotadas em cargos públicos, especialmente para financiar as idéias porque no Brasil não existe a cultura do financiamento do risco por parte do setor financeiro privado.

3.) O Associativismo no Brasil é muito difícil. Falta prática na cultura para pensar o todo e coletivo em detrimento do individual sim, mas falta jogo de cintura, especialmente e como sempre dos técnicos, para incorporar esforços ao invés de enxotar interessados.

4.) Corremos o sério risco de repetir aqui no Brasil o que os eiropeus fizeram com os tais selos. Antes de serem entendidos como uma garantia de qualidade para melhorar a relação com o consumidor, ampliar o consumo do produto e diferenciar os bons produtos dos ruins e fraudados é visto, na maioria das vezes, apenas como atalho para justificar maiores preços e maiores lucros. A europa está pagando caro por este erro e parece que nós não estamos percebendo.

Resumindo saí da reunião contente por ver iniciatvas deste tipo mas preocupado pela demora que ocorrerá para o processo chegar ao fim e pelo risco de grandes perdas de associados pela intransigência de algums poucos, ainda que do ponto de vista técnico e lógico possam até estar com a razão.

Tomara que as coisas deem certo, mesmo que eu pessoalmente não vá me benefiar simplesmente porque não estou localizado na Serra da Mantiqueira.

Confite de Porco Caipira e Pães

Ontem saboreamos “confite de porco caipira”, mais precisamente o mignon suino.

A carne foi cozida na própria gordura e guardada por cerca de um mês. Ao invés de guardar em lata guardamos num pote de vidro, fora da geladeira é claro.

O resultado foi excelente. Macio, saboroso, uma carne com personalidade! Aproveitamos para fazer as batatas (plantadas por nós) fritas na própria banha e uma linda salada de nossa horta. Tudo isso acompanhado por um “Barbera safra 2000″.

Ainda ontem amassamos 3 tipos de pão. Um Italiano com maior proporção de fermento para ficar mais leve, um integral da mesma forma e outra tentativa de rosca doce com variação na proporção de fermento para o todo da massa. Desta vez deu certo. Hoje cedo às 6:00hs. pusemos para assar o italiano e depois foram os demais. Ficaram deliciosos e aprovados. Eu pessoalmente prefiro o italiano mais massudo e menos leve.